TRANSPARÊNCIA

Para mobilizar, sempre partimos da ideia de respeitamos e valorizarmos cada pessoa e seu conhecimento. Defendemos o diálogo e a democracia em todas as situações pois TODOS tem muito à ensinar, uns aos outros. Por isso, atuamos de forma não leviana ou abstrata: cada pessoa é ÚNICA e tem seu direito de se expressar. Por isso, convidamos à todos que desejarem ter seus textos ou ideias publicadas em nosso BLOG, participem!

 

É dessa união que construiremos, sem dúvida alguma, uma sociedade melhor e mais HUMANA.

2010 ~ 2018 © ClaudioDiMauro.com.br   TODOS OS DIREITOS RESERVADOS 

desenvolvido por

PARA NÃO DIZER QUE NÃO FALAMOS DE ENERGIA

da Redação

Sexta-feira, 5 de Junho de 2015

Sem matérias relacionadas

O Golfo do México está impulsionando a assimilação de mudanças importantes na matriz energética do mundo. Estamos em vias de conhecer enormes investimentos no modelo energético solar. Quem sabe também no eólico. O Brasil ainda não se preparou adequadamente para aproveitar seu potencial energético limpo.

Cláudio Di Mauro

 

PARA NÃO DIZER QUE NÃO FALAMOS NA MATRIZ ENERGÉTICA


   O drama provocado pelo que se chama de “acidente” com vazamento de petróleo no Golfo do  México além do imenso prejuízo provocado para o Planeta e por conseqüência para a vida humana no Planeta Terra, provocará uma imensa fratura na matriz energética do mundo.

 

    Neste sábado, em seu discurso habitual, o Presidente Obama anunciou investimentos de quase 2 bilhões de dólares em pesquisa e implantação de Planta para produção e armazenamento e distribuição de energia solar.

 

   A Planta programada para o Estado do Arizona fornecerá energia para cerca de 70 mil residências.

  Assim, se construiu a riqueza das elites mundiais, com a superexploração da mão de obra e com a superexploração dos componentes da natureza.

 

    Infelizmente, o Planeta precisou ser submetido ao mais grave acidente com petróleo, de todos os tempos, para que as grandes potências capitalistas enveredassem na busca de solução tecnológica para energia solar.

 

    O vazamento de milhares de barris diários de petróleo no Golfo do México ainda não foi contido. Tal desastre tem futuro ainda incerto e incalculável, mas está estimulando o engajamento em novas formas de produção. Triste que o bem do planeta, seja pensado com muita dor e sofrimento. Não se busca a alternativa solar por ser ela limpa e ter potencialmente, condições de se constituir na energia do futuro. Mas, tal busca é resultado de destruição de parte significativa da vida e das águas oceânicas.

 

    Obama faz uma outra “descoberta” que já foi anunciada e defendida por ambientalistas de todo o mundo, ou seja, a adoção de uma nova matriz energética, a solar, que produzirá milhões  de novos empregos e investimentos, capazes de promover nova rota para o desenvolvimento e a circulação de moeda. Em outras palavras, a mudança no modelo energético, se constituirá em mais um “fôlego” que será oferecido ao capitalismo mundial. Mudar o modo de produzir será um imenso filão na produção de riqueza para os países que detiverem e dominarem tais tecnologias.

     O Brasil ainda não leva a “sério” esse imenso potencial que lhe é propício, a exposição ao sol.

 

   O Brasil é um País predominantemente Tropical, com imensos territórios submetidos ao clima Subtropical,  com expressivas áreas sujeitas a clima semi-árido e, no entanto, ainda não se envolveu decididamente com a energia solar.

 

  O fato de possuir grande potencial para manter sua matriz energética razoavelmente limpa, a hidroelétrica, fez com que o Brasil não estimulasse o desenvolvimento da ciência e da tecnologia solar e nem a eólica.

 

   Infelizmente.

   Certamente, os detentores dessas tecnologias terão muita importância em médio prazo.  Ainda há tempo para que os pesquisadores sejam estimulados a produzir conhecimentos capazes de aproveitar o potencial natural de nosso território exposto ao sol e ao vento. Esses são importantes componentes para a infraestrutura do que aspiramos para o futuro do Planeta, em nome do desenvolvimento sustentável.

Agora queremos saber de VOCÊ: Qual a SUA OPINIÃO sobre essa matéria? Escreva. Opine. PARTICIPE!
E com a SUA ajuda que podemos deixar esse nosso sitio cada vez mais agradável aos nossos leitores