O DIA OU OS DIAS DO MEIO AMBIENTE?

Dalberto Christofoletti

   No mês de junho comemora-se o dia mundial do meio ambiente e para os ambientalistas não há nada mais irritante do que realizar eventos ambientais em um dia do ano e esquecer os outros 364, principalmente quando sabemos da característica inerente a toda ação ambiental bem sucedida: a continuidade.

 

   Outra dificuldade para se promover uma “comemoração” é o maior desastre ambiental da história dos EUA, com o poço de petróleo submarino ainda vazando e afetando praias, fauna e vegetações peculiares como o marisma. O derrame de petróleo nos EUA deve ensinar o Brasil, país que se destaca no mesmo tipo de prospecção, com perspectiva de aumento devido às reservas de pré-sal. Nesse sentido, foi inteligente a atitude da Petrobras de enviar especialistas para o Golfo do México para aprender com o desastre.

 

  Mesmo com o quadro citado, é válido nesse momento resgatar alguns documentos fundamentais organizados pelos ambientalistas nas últimas décadas. É um bom recomeço para a causa ambiental.

 

   No decorrer de 2010 a ONU promove o ano da biodiversidade para garantir a aplicação das propostas da Convenção sobre Biodiversidade promovida durante a Conferência Internacional Eco-92 realizada no Rio de Janeiro. Segundo o documento da Convenção “a contribuição da biodiversidade na vida, além de ser prática, física, orgânica e utilitária, é também cultural. O desaparecimento de espécies únicas é uma perda incalculável e irreversível que nos deixa muito mais pobre”.

 

  A partir disso, percebemos que a biodiversidade deve ser respeitada dentro de um contexto amplo, o que inclui o respeito à diversidade biológica, mas também a diversidade humana na opção religiosa, política, comportamental, sexual e até mesmo étnica.

 

  Não devemos esquecer, inclusive, de que o nosso desenvolvimento, especialmente o agrícola, depende de nossa incrível disponibilidade de ar, solo e água.

 

   Compartilhamos o planeta com treze milhões de espécies vivas distintas, entre elas, se incluem plantas, animais, bactérias, das quais somente 1,75 milhões foram identificadas, menos de 15%.

 

   Manter a biodiversidade, entretanto, tem se mostrado tarefa árdua. Como estamos em ano de Copa do Mundo, vale a metáfora futebolística: por ano são destruídos o equivalente a 17 milhões de campos de futebol de floresta tropical, numa velocidade de um campo de futebol a cada dois segundos! O quadro é alarmante ainda em biomas com grande biodiversidade, porém não tão celebrados pela mídia como o cerrado e a caatinga, esta última que representa o único bioma exclusivamente brasileiro.

 

  Para combater essa situação é válido resgatar mais dois documentos de referência para a causa ambiental. Um deles é a “Carta da Terra”, concluída em 2000 e fruto do trabalho conjunto das Nações Unidas, governos e mais de 4500 movimentos ambientais.

 

   Os princípios da Carta são:

 

    - Garantia da integridade ecológica

    - Justiça econômica e social

    - Cuidado com a comunidade de vida

    - Democracia, não-violência e paz.

 

   Infelizmente, a “Carta da Terra” é pouco conhecida, estudada e menos ainda aplicada. Outro documento importante é a “Agenda 21” - metas ambientais dos governos e instituições segundo a Convenção de Mudanças Climáticas e a Convenção sobre Biodiversidade. Assim como a “Carta da Terra”, a “Agenda 21” não “pegou”, ou seja, os governos, instituições privadas e sociedade civil ainda não a internalizaram cotidianamente, por isso pouco adiantará lembrar delas somente no “dia do meio ambiente”. Não é verdade?

Dalberto Christofoletti dalbertochristofoletti@gmail.com

Dalberto Christofoletti é professor de Geografia / Geopolítica e coordenador de projetos socioambientais. Atualmente, Dalberto foi vereador na cidade de Rio Claro (SP) na gestão entre 2013 - 2016

Seus textos são:

O dia ou os dias do Meio Ambiente? 5 de julho de 2015
Passageiros do Tempo 5 de julho de 2015

TRANSPARÊNCIA

Para mobilizar, sempre partimos da ideia de respeitamos e valorizarmos cada pessoa e seu conhecimento. Defendemos o diálogo e a democracia em todas as situações pois TODOS tem muito à ensinar, uns aos outros. Por isso, atuamos de forma não leviana ou abstrata: cada pessoa é ÚNICA e tem seu direito de se expressar. Por isso, convidamos à todos que desejarem ter seus textos ou ideias publicadas em nosso BLOG, participem!

 

É dessa união que construiremos, sem dúvida alguma, uma sociedade melhor e mais HUMANA.

2010 ~ 2018 © ClaudioDiMauro.com.br   TODOS OS DIREITOS RESERVADOS 

desenvolvido por